Make your own free website on Tripod.com

Amazon Pit Kennel

Visite a página de trabalhos acadêmicos e as fotos dos melhores Pits da Amazônia.

 

 

Acima

 

 

HEMATOLOGIA

 

1.      Introdução

Os exames hematológicos estão entre os exames mais práticos, econômicos e de grande utilidade para a medicina veterinária. Através deles podemos concluir ou excluir diagnósticos, avaliar ou fazer prognósticos e avaliar a eficácia da terapêutica.

O exame de sangue nada mais é do que uma biópsia de todo o organismo animal. Alterações patológicas em qualquer sistema causam alterações tanto quantitativas quanto qualitativas das diferentes linhagens sanguíneas.

A palavra HEMATOLOGIA vem do latim e é derivada da palavra HAIMA, que significa sangue. Então hematologia é o estudo do sangue.

2.      Composição do sangue

O sangue é constituído de uma parte sólida e outra líquida.

2.1.     Parte líquida

É o plasma, que é o soro mais o fibrinogênio.

2.2.     Parte sólida

É representada pelos elementos figurados, que são as plaquetas ou trombócitos, os glóbulos vermelhos ou eritrócitos ou ainda hemácias e os glóbulos brancos ou leucócitos.

Existem duas de glóbulos brancos, os granulócitos e os agranulócitos. Os agranulócitos são os linfócitos e os monócitos. Os granulócitos são os basófilos, neutrófios e eosinófilos.

Os neutrófilos podem ser mielócitos, metamielócitos, bastões ou segmentados. O mesmo ocorre com eosinófilos e basófilos, pois essas células têm mesma origem embrionária.

3.      Funções do sangue

3.1.     Transporte de gases – O sangue transporta oxigênio para os tecidos e gás carbônico para o exterior.

3.2.     Manutenção da temperatura corporal – O sangue transporta calor para todo o organismo.

3.3.     Transporte de substâncias – O sangue transporta hormônio para os órgãos alvos.

3.4.     Defesa – O sangue transporta anticorpos e células de defesa para todo o organismo.

3.5.     Manutenção do teor líquido do organismo.

3.6.     Eliminação dos produtos resultantes do metabolismo.

4.      Avaliação do sangue

Para se avaliar o sangue há a necessidade de se fazer o exame deste, que é o hemograma.

O hemograma é feito utilizando-se o sangue total, ou seja, sangue mais anticoagulante.

O hemograma tem duas partes, o eritrograma e o leucograma.

No eritrograma é feita a contagem global de hemácias, determinação da taxa de hemoglobina e determinação do volume globular, também conhecido como hematócrito.

No hematócrito é avaliada também a concentração de proteína plasmática total e concentração de fibrinogênio.

No leucograma é feita a contagem global de leucócitos e contagem diferencial. Na contagem, diferencial verifica-se também a presença de parasitos, inclusões e avalia-se a morfologia de hemácias, leucócitos e plaquetas.

5.      Coleta

A coleta é feita puncionando-se uma veia.

5.1.     Técnica em cães

·        Tricotomia da área;

·        Assepsia com álcool iodado;

·        Fazer o garrote para conter a veia;

·        Puncionar a veia, tendo o cuidado de, em cães, introduzir a agulha com o bizel para cima;

·        Soltar o garrote;

·        Aspirar o sangue;

·        Retirar a agulha da seringa;

·        Despejar o sangue bem devagar na parede do tubo.

# O garrote deve ser solto antes de se aspirar o sangue, pois com o garrote pode ocorrer alteração.

# O sangue deve ser colocado com máximo cuidado no tubo, pois se colocado muito rápido, a pressão dentro da seringa irá provocar rompimento de hemácias.

5.2.     Locais de coleta

 

 

QUANTIDADE DE SANGUE

AGULHA

ESPÉCIE

GRANDE

PEQUENA

CALIBRE

COMPRIMENTO

 

EQUINOS

Jugular

Orelhas

Lábios

12 – 14 mm

2,5 – 3,0 pol

 

BOVINOS

Jugular

Orelhas

Lábios

12 – 14 mm

1,5 – 4,0 pol

 

OVINOS

Jugular

Orelhas

14 mm

1,5 – 4,0 pol

 

CAPRINOS

Jugular

Orelhas

14 mm

1,5 – 4,0 pol

 

 

SUÍNOS

Cava anterior

Veias marginais*

 

Orelhas

 

 

20 mm

 

1,5 – 4,0 pol

 

CANINOS

Cefálica

Safena

Orelhas

Orelhas

20 – 22 mm

1,5 pol

 

FELINOS

cardíaca

Orelhas

20 – 25 mm

1,0 pol

 

COELHO

 

Orelhas

18 mm

3,0 pol

 

             

* Mais usada.

6.      Anticoagulantes

6.1.     EDTA a 10% ( Ácido Di-amino-Tetra-acético )

É o mais utilizado.

Evita a coagulação por se combinar com o cálcio.

·        Quantidade – 1mg/ 5ml de sangue. Coloca-se 0,1 a 0,5 ml da substância no frasco, coloca na estufa e deixa até evaporar toda a água, ficando só o pó. Pode ser também utilizado em forma liquida.

·        Tempo de conservação

-         Em meio ambiente: 6 horas.

-          Sob refrigeração: 24 horas.

# Após esses períodos as células já irão apresentar alterações.

6.2.     Oxalatos

Evitam a coagulação combinando-se com o cálcio.

·        Quantidade – 0,1ml/ 1ml de sangue.

·        Tempo de conservação – Uma hora.

# Os oxalatos de potássio e de amônia têm um inconveniente, o oxalato de potássio causa a diminuição no número de hemácias e o de amônia causa o aumento.

Em 1934 Heller & Paul propuzeram a mistura dos dois oxalatos, chamada mistura de Heller & Paul. Essa mistura é feita da seguinte forma:

Oxalato de potássio ---------------------------- 0,8g

Oxalato de amônia ----------------------------- 1,2g

Água destilada ---------------------------------- 100ml

6.3.     Heparina a 1%

A heparina evita a transformação da protombina em tronmbina dentro da cascata da coagulação.

·        Quantidade – 0,1ml/5ml de sangue.

·        Tempo – 24 horas.

·        Desvantagem – Custo elevado.

6.4.     Citrato ácido dextrose ( CAD )

É utilizado em transfusão sanguínea.

É constituído por 27,3g de dextrose, 23,7g de citrato de sódio e 100ml de água destilada. Estereliza-se a mistura em autoclave numa pressão de 15 libras durante 15 minutos.

·        Quantidade – Uma parte de CAD para três partes de sangue ( 1:3 ).

·        Tempo – Uma semana.

6.5.     Fluoreto de sódio

A hemácia recebe glicose de forma passiva. Desta forma, mesmo após a coleta de sangue, as hemácias vão continuar consumindo a glicose. O fluoreto de sódio preserva a glicose da amostra, sendo utilizado em coletas para dosagem de glicose plasmática.

·        Quantidade – 10mg/dl para cada ml de sangue.

7.      Sistema hematopoético

É o conjunto de órgãos e sistemas capazes de produzir células sanguíneas.

Logo após o nascimento a medula de todos os órgãos é hematopoéticamente ativa. No período embrionário o feto tem respiração placentária e a sua hemoglobina é diferente, chamada de hemoglobina fetal.

Logo que o animal nasce começa a substituição das hemácias fetais por hemácias mais eficientes, o que gera uma demanda maior de hemácias.

Com a maturidade do animal a hematopoese se restringe a alguns ossos chatos e à epífise dos ossos longos e assim permanece por toda a vida do animal.

À medida que o animal vai envelhecendo a medula vermelha se transforma em medula amarela, a qual, sob a ação de um hormônio, em condições especiais       ( hemorragias ), volta a produzir células sanguíneas.

Com o avançar da idade a medula amarela transforma-se em medula cinzenta, que é ausente de tecido hematopoético. Deste modo deve-se ter bastante cuidado tratamento cirúrgico em animais velhos, principalmente as cirurgias em que há grande perda de sangue, pois sua capacidade de produção de células sanguíneas é bastante deficiente.

7.1.  Órgãos que fazem parte do sistema hematopoético

a.       Medula óssea

A medula óssea ou hematopoética ou ainda vermelha está localizada entre os seios vasculares radiais dos ossos.

É fonte das células pluripotenciais ( células primitivas ), que vão produzir eritrócitos, granulócitos, monócitos e plaquetas.

b.      Fígado

É fonte das proteínas plasmáticas ( albumina, alfa, beta e fibrinogênio ). Produz também a maior parte dos fatores de coagulação, exceto o cálcio.

É um reservatório de vitaminas do complexo B e ferro.

 # A vitamina B12 tem importante papel na duplicação celular e sua deficiência megalonótica.

O fígado tem a função de atuar no metabolismo da bilirrubina, convertendo bilirrubina não conjugada em conjugada.

# A bilirrubina é um subproduto da degradação da hemácia, feita pelo sistema monuclear fagocitário.

O fígado produz também um pré-hormônio chamado eritropoetinogênio, o qual irá se ligar com com outro pré-hormônio produzido pelos rins, chamado eritrogenina e irá formar a eritropoetina, que é um hormônio que estimula a medula a produção de células.

Guarda as funções hematopoéticas embrionárias e, em casos severos de perda sanguínea, pode voltar a produzir células sanguíneas.

c.      Baço

O Baço produz células sanguíneas durante o período embrionário.

Tem relação com os fenônemos de imunidade, produzindo células relacionadas à imunidade humoral ( anticorpos circulantes ) e de base celular ( anticorpos de rejeição ).

O Baço retém de 20% a 40%  dos eritrócitos circulantes, o que lhe confere a função de armazenamento de eritrócitos. Isso é particularmente importante no cavalo pelo fato de este, sob estress, liberar adrenalina, a qual promove a contração do baço, que despeja na corrente sanguínea, naquele momento, os eritrócitos circulantes armazenados. Se esta situação ocorre na hora da coleta, haverá aumento no volume globular, o aumento do número de células sanguíneas, que se chama policitemina espúria.

A mesma situação pode ocorrer no cão.

O baço tem função de hemocaterese, que é o mecanismo pelo qual são retiradas da corrente circulatória as hemácias velhas.

# A hemácia dura de 60 a 120 dias. A medida que ela vai envelhecendo sua membrana vai perdendo a flexibilidade, é quando o baço a tira da corrente circulatória.

Tem também função de piting, que é um processo de limpeza da hemácia, pois esta logo que vai para a corrente circulatória ainda apresenta restos de divisão celular.

Tem ainda a propriedade de reter um terço das plaquetas.

O baço também guarda as funções embrionárias.

d.      Linfonodos

São órgãos responsáveis pela maturação de linfócitos.

# Os linfócitos têm dois tipos, os linfócitos T, que amadurecem no timo e os linfócitos B, que amadurecem no baço.

e.      Timo

Faz a conversão de linfócitos.

f.       Rim

O rim produz o fator estimulante da eritropoetina ( eritrogenina ).

Excreta o urobilinogênio.

g.      Estômago

Produz HCl, que faz parte do suco gástrico. Esse ácido transforma o íon férrico (que não é absorvido pelo organismo) em íon ferroso (que a forma que o ferro é absorvido pelo organismo).

Produz também o fator intrinseco que prepara o intestino para  a absorção da vitamina B12. A deficiência desse fatror causa a anemia macrocítica.

h.      Sistema mononuclear fagocitário

Está relacionado ao metabolismo dos eritrócitos. Na realidade, quando o eritrócito está velho é retirado da corrente circulatória por esse sistema.

Esse sistema está distribuído em todos os órgãos do sistema hematopoético.